ISSN on-line: 2358-288X
Reprodução & Climatério Reprodução & Climatério
Reprod Clim 2016;31:82-5 - Vol. 31 Núm.2 DOI: 10.1016/j.recli.2016.04.007
Artigo original
Adesão ao seguimento ambulatorial de pacientes com doença trofoblástica gestacional atendidas em um centro de referência
Adherence to follow‐up in patients with gestational trophoblastic disease treated at a referral center
Julianna Barroso Rizzo Mendonça, Leonardo Ribeiro Soares, , Maurício Guilherme de Campos Viggiano
Departamento de Ginecologia e Obstetrícia, Hospital das Clínicas, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO, Brasil
Recebido 27 Março 2016, Aceitaram 19 Abril 2016
Resumo
Objetivo

Avaliar a adesão das pacientes com doença trofoblástica gestacional (DTG) ao seguimento ambulatorial pós‐molar em um centro de referência na região Centro‐Oeste do Brasil.

Métodos

Estudo observacional, retrospectivo, que incluiu todas as pacientes diagnosticadas com DTG na Maternidade‐Escola da Universidade Federal de Goiás em um ano. Foram colhidos dados referentes a idade, paridade e valores de B‐hCG. A adesão ao seguimento ambulatorial e o exame histopatológico do produto do esvaziamento uterino foram obtidos pela revisão de prontuários.

Resultados

Entre as 55 pacientes incluídas no estudo, apenas 27 (49%) prosseguiram com o tratamento de forma completa; das quais 11 (40,7%) tiveram indicação de quimioterapia segundo o protocolo do Serviço.

Conclusão

A taxa de adesão ao seguimento ambulatorial foi baixa. O alto índice de pacientes com necessidade de quimioterapia determina um cenário alarmante sobre o prognóstico das pacientes que não concluíram o seguimento pós‐molar. Esse estudo aponta a necessidade de estratégias efetivas para o manejo e o controle da doença.

Abstract
Objective

To evaluate the adherence to outpatient follow‐up among patients with gestational trophoblastic disease (GTD) in a reference center in the Midwest region of Brazil.

Methods

This was an observational, retrospective study that included all patients diagnosed with GTD in the Maternity School of the Universidade Federal de Goiás in one year. Data were collected regarding age, parity and B‐hCG values. Adherence to follow‐up and histopathological examination of the uterine evacuation product were obtained by chart review.

Results

Among the 55 patients included in the study, only 27 (49%) continued with the treatment properly; of which 11 (40.7%) had chemotherapy indication by the protocol service.

Conclusion

The adherence rate to outpatient follow‐up was low. The high rate of patients in need of chemotherapy determines an alarming scenario on the prognosis of patients who did not complete the follow‐up. This study highlights the need for effective strategies for the management and control of the disease.

Palavras‐chave
Doença trofoblástica gestacional, Mola hidatiforme, Assistência ambulatorial
Keywords
Gestational trophoblastic diseases, Hydatidiform mole, Ambulatory care
Reprod Clim 2016;31:82-5 - Vol. 31 Núm.2 DOI: 10.1016/j.recli.2016.04.007