ISSN on-line: 2358-288X
Reprodução & Climatério Reprodução & Climatério
Reprod Clim 2014;29:136-42 - Vol. 29 Núm.3 DOI: 10.1016/j.recli.2015.03.002
Review article
Antral follicle count in predicting appropriate dose of gonadotropin in in vitro fertilization cycles
Contagem dos folículos antrais na predição das doses apropriadas de gonadotrofinas em ciclos de fertilização in vitro
Eduardo Camelo de Castroa,b,, , Alda Linhares de Freitas Borgesa, Karise Naves de Rezendea, Waldemar Naves do Amaralc,d
a Infertility Clinic, Faculty of Medicine, Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-Góias), Goiânia, GO, Brazil
b Humana Reproductive Medicine, Goiânia, GO, Brazil
c Department of Obstetrics and Gynecology, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO, Brazil
d Brazilian Society of Ultrasound, São Paulo, SP, Brazil
Recebido 20 Dezembro 2014, Aceitaram 23 Fevereiro 2015
Abstract
Introduction

Controlled ovarian stimulation is an essential part of in vitro fertilization (IVF) cycles. The aim of this process is to permit follicular aspiration of approximately 8–10 oocytes. Individual women have different ovarian responses based on their ovarian reserves. Low doses of exogenous follicle-stimulating hormone (FSH) may lead to cancelation of an IVF cycle as a result of insufficient response, and high doses may also lead to cancelation due to the risk of ovarian hyperstimulation syndrome. Knowing the patient's ovarian response permits the use of individually tailored doses of gonadotropin, resulting in decreased occurrence of inappropriate ovarian responses.

Objective

To conduct a systematic review of antral follicle count (AFC) performance in adjusting the dose of gonadotropins to prevent inadequate responses in IVF cycles.

Method

A systematic review was conducted of studies published in the last 13 years that appraised AFC performance in adjusting the dose of gonadotropins to prevent inadequate responses in IVF cycles. The databases consulted were Medline, LILACS, SciELO and Pubmed. Search descriptors were “antral follicle count” and “ovarian hyperstimulation syndrome”.

Results

131 articles were found. Five articles published between 2000 and 2013 were selected.

Conclusion

AFC appears to perform well in adjusting the dose of exogenous gonadotropins to prevent inappropriate responses in IVF cycles.

Resumo
Introdução

A estimulação ovariana controlada é parte essencial de ciclos de fertilização in vitro (FIV). O objetivo deste processo é permitir a aspiração folicular de aproximadamente 8–10 oócitos. As mulheres têm respostas diferentes e individuais, baseadas em suas reservas ovarianas. Baixas doses exógenas de hormônio folículo estimulante (FSH) podem levar ao cancelamento do ciclo de FIV como resultado de resposta insuficiente e altas doses também podem levar ao cancelamento devido ao risco da síndrome de hiperestimulação ovariana. O conhecimento da resposta ovariana das pacientes permite o uso de doses individuais adaptadas de gonadotrofinas, resultando em diminuição da ocorrência de respostas inadequadas do ovário.

Objetivo

Realizar revisão sistemática do desempenho da contagem dos folículos antrais (CFA) no ajuste da dose das gonadotrofinas para evitar respostas inadequadas em ciclos de FIV.

Método

Realizou-se revisão sistemática de estudos publicados nos últimos 13 anos que avaliaram o desempenho da CFA no ajuste das doses de gonadotrofinas para evitar respostas inadequadas em ciclos de FIV. As bases de dados consultadas foram Medline, LILACS, SciELO e Pubmed. Os descritores de pesquisa foram “contagem de folículo antral” e “Síndrome de hiperestimulação ovariana”.

Resultados

Foram encontrados 131 artigos. Cinco artigos publicados entre 2000 e 2013 foram selecionados.

Conclusão

A CFA parece ter um papel importante no ajuste das doses de gonadotrofinas exógenas para evitar respostas inapropriadas em ciclos de FIV.

Keywords
Fertilization in vitro, Antral follicle count, Individualization, Ovarian hyperstimulation syndrome
Palavras-chave
Fertilização in vitro, Contagem de folículo antral, Individualização, Síndrome da hiperestimulação ovariana
Reprod Clim 2014;29:136-42 - Vol. 29 Núm.3 DOI: 10.1016/j.recli.2015.03.002