ISSN on-line: 2358-288X
Reprodução & Climatério Reprodução & Climatério
Reprod Clim 2016;31:163-8 - Vol. 31 Núm.3 DOI: 10.1016/j.recli.2016.08.005
Artigo original
Avaliação de danos genéticos e apoptose em mulheres menopausadas que fazem uso da terapia de reposição hormonal
Assessment of genetic damage and apoptosis in postmenopausal women under hormone replacement therapy
Polyanna Carôzo de Oliveira, Eneida de Moraes Marcílio Cerqueira, José Roberto Cardoso Meireles,
Laboratório de Genética Toxicológica, Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, BA, Brasil
Recebido 21 Julho 2016, Aceitaram 29 Agosto 2016
Resumo
Objetivo

Avaliar por meio do teste de micronúcleo em células esfoliadas da mucosa oral a genotoxicidade de hormônios empregados na terapia de reposição hormonal (TRH).

Material e métodos

Quarenta mulheres menopausadas foram selecionadas e distribuídas em quatro grupos de dez: G0 (não submetidas à TRH), G1 (TRH com estrógeno), G2 (TRH com estrógeno e progestágeno) e G3 (TRH com tibolona). Células esfoliadas da mucosa oral foram coletadas e processadas para análise, sob microscopia óptica, de danos cromossômicos (micronúcleos) e de apoptose, inferida pelo somatório de alterações nucleares degenerativas (picnose, cariorréxis e cromatina condensada). Duas mil células foram analisadas por participante. A análise estatística foi feita com o uso do teste condicional para comparação de proporções em situação de eventos raros.

Resultados

A frequência de micronúcleo não diferiu entre os grupos (p>0,05). As alterações nucleares indicativas de apoptose foram significativamente mais altas entre as mulheres do G0 em relação às dos demais grupos (p<0,01). Os grupos submetidos à TRH não diferiram quanto à ocorrência de apoptose (p>0,05).

Conclusões

Esses resultados indicam que, tal como avaliado neste estudo, a TRH não induz danos cromossômicos. Entretanto, devido ao efeito antiapoptótico, permite a proliferação de células geneticamente danificadas, está assim potencialmente associada ao processo de transformação maligna.

Abstract
Objective

To evaluate through the micronucleus test in exfoliated cells of oral mucosa the genotoxicity of hormones used in hormone replacement therapy (HRT).

Material and methods

Forty postmenopausal women were selected and divided into four groups of ten: G0 (not submitted to HRT), G1 (HRT with estrogen), G2 (HRT with estrogen and progestogen) and G3 (HRT with tibolone). Exfoliated cells of oral mucosa were collected and processed for analysis of chromosomal damage (micronuclei) and apoptosis, inferred by the sum of nuclear degenerative alterations (picnosis, cariorréxis and condensed chromatin). Two thousand cells were analyzed by participant. Statistical analysis was performed using the conditional test to compare proportions in a situation of rare events.

Results

The frequency of micronuclei did not differ between groups (p>0.05). Apoptotic cells were significantly higher among women from G0 when compared to the other groups (p<0.01). The groups submitted to HRT did not differ in apoptosis occurrence (p>0.05).

Conclusions

These results indicate that, as assessed in this study, TRH does not induce chromosomal damage, however, due to the anti‐apoptotic effect, cells genetically damaged can proliferate, favoring the malignant transformation process

Palavras‐chave
Estrógeno, Progesterona, Apoptose, Micronúcleo, Genotoxicidade
Keywords
Estrogen, Progesterone, Apoptosis, Micronucleus, Genotoxicity
Reprod Clim 2016;31:163-8 - Vol. 31 Núm.3 DOI: 10.1016/j.recli.2016.08.005