ISSN on-line: 2358-288X
Reprodução & Climatério Reprodução & Climatério
Reprod Clim 2017;32:53-6 - Vol. 32 Núm.1 DOI: 10.1016/j.recli.2016.11.003
Artigo de revisão
Doença celíaca materna e baixo peso ao nascer
Mother celiac disease and low birthweight
Ana Paula de Souza Lobo Machadoa, Luciana Rodrigues Silvab,c, Fernanda de Oliveira Andrade Lopesd, Fernando Augusto Montanha Teixeirad,, , Vinicius Veloso Teixeirae
a Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil
b Université Libre de Bruxelles, Bruxelas, Bélgica
c Université Paris V, Paris, França
d Curso de Medicina, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Salvador, BA, Brasil
e Hospital Geral Roberto Santos, Salvador, BA, Brasil
Recebido 05 Setembro 2016, Aceitaram 21 Novembro 2016
Resumo

A doença celíaca representa uma enteropatia inflamatória crônica do intestino delgado, imunomediada, que ocorre como resposta a uma intolerância permanente ao glúten em pessoas geneticamente predispostas. Essa doença tem várias manifestações clínicas, pode ser assintomática, e em gestantes celíacas não diagnosticadas tem sido associada a risco aumentado de recém‐nascidos com baixo peso ao nascer. Esta revisão tem como objetivo fornecer uma melhor compreensão dos mecanismos fisiopatológicos envolvidos na associação entre doença celíaca materna e baixo peso ao nascer por meio de uma revisão bibliográfica das publicações mais relevantes no tema nos últimos 20 anos.

Abstract

Celiac disease is a chronic, immune‐mediated, inflammatory disorder of the small intestine, that occurs in response to a permanent intolerance to gluten in genetically predisposed individuals. Its clinical manifestations may vary significantly, including an asymptomatic presentation. In undiagnosed celiac pregnant women, it has been associated with increased risk of low birth weight newborns. This review aims to provide a better understanding of the pathophysiological mechanisms involved in the association between maternal celiac disease and low birth weight through a literature review of the most relevant publications on the subject in the last 20 years.

Palavras‐chave
Doença celíaca, Peso ao nascer, Recém‐nascido de baixo peso
Keywords
Celiac disease, Birth weight, Infant low birth weight
Introdução

A doença celíaca (DC) é a expressão clínica de uma intolerância permanente ao glúten.1 Nos indivíduos geneticamente susceptíveis, os peptídeos do glúten parcialmente digeridos pelas enzimas do suco gástrico, pancreático e do lúmen intestinal atravessam a barreira epitelial da mucosa e chegam à lâmina própria, onde são expostos à transglutaminase tecidual.2–5 Essa enzima modifica peptídeos específicos do glúten por deaminação que, por sua vez, ligam‐se com maior afinidade às moléculas de HLA‐DQ2 ou HLA‐DQ8 das células apresentadoras de antígenos e desencadeiam reações inflamatórias mediadas pelo sistema imune inato e adaptativo.1 Tal processo inflamatório envolve a liberação de mediadores que resulta em hiperplasia das criptas, infiltração de linfócitos intraepiteliais e atrofia das vilosidades intestinais.1,6 Essas alterações, a depender da extensão, podem ser responsáveis por síndrome de má absorção, caracterizada pela perda de peso, desnutrição, distensão abdominal, diarreia e/ou esteatorreia, ou, ainda, desencadear respostas imunológicas alteradas em vários sítios do organismo.7

O diagnóstico da DC é histopatológico e requer biópsia do intestino delgado.6,8,9 A triagem pode ser feita por meio da dosagem sorológica dos anticorpos antiendomísio (EMA) e antitransglutaminase (anti‐TTG), ambos, preferencialmente, da classe IgA.6,8,9 Estudos têm demonstrado que pacientes com DC têm maior risco de deficiência de IgA. Dessa forma, a fim de se evitar resultados falso negativos, a triagem sorológica para DC inclui a dosagem concomitante de imunoglobulina A.9

O quadro clínico da DC é bastante heterogêneo. Quando não tratada, está associada a manifestações sistêmicas, como anemia, osteoporose, alterações neurológicas e neoplasias.6 Em mulheres celíacas não tratadas, a associação entre DC e disfunção do aparelho reprodutor, como abortos de repetição, menarca tardia e infertilidade sem causa aparente, tem sido apontada por vários autores, além de maior ocorrência de recém‐nascidos com baixo peso ao nascer e/ou pequenos para idade gestacional e prematuridade naquelas que conseguem conceber.10–13

Associação entre doença celíaca e baixo peso ao nascer

O peso ao nascer é um importante marcador das condições intrauterinas em que a criança foi submetida durante o período gestacional e é, também, o fator individual de maior influência na saúde e sobrevivência da criança recém‐nascida.14 O baixo peso ao nascer, definido como peso ao nascer menor do que 2.500g, pode decorrer de parto prematuro ou de crescimento intrauterino restrito.15 Os recém‐nascidos com baixo peso ao nascer têm mortalidade aumentada no primeiro ano de vida, em geral requerem maior tempo de hospitalização após o nascimento e desenvolvem comorbidades na idade adulta mais frequentemente do que os neonatos com melhor peso.16 Em uma recente metanálise, o risco para mortalidade perinatal relacionado à prematuridade e o baixo peso ao nascer foram, respectivamente, 7,9 e 9,6 vezes maiores que o da população de recém‐nascidos saudáveis.17

Em mulheres celíacas não tratadas, estudos clínicos e epidemiológicos têm demonstrado maior ocorrência de recém‐nascidos com baixo peso ao nascer, prematuros e natimortos.10,12,18–21

No estudo de Ciacci et al.,18 os autores compararam 94 mulheres celíacas não tratadas com 31 pacientes celíacas em tratamento e indicaram que as mulheres celíacas sem tratamento tinham risco 5,84 vezes maior do que as mulheres celíacas em uso de dieta isenta de glúten de ter recém‐nascidos com baixo peso ao nascimento.

Em um outro estudo, Norgard et al.13 avaliaram a prole de 127 mulheres celíacas e encontraram que a média de peso ao nascimento dos recém‐nascidos dessas mães foi 238g menor do que a média de peso ao nascimento dos recém‐nascidos de mulheres não celíacas, o que determina um risco aumentado para recém‐nascidos com baixo peso ao nascimento de 2,6 vezes em mulheres com doença celíaca não tratada. Após introdução da dieta isenta de glúten, a média de peso ao nascimento dos recém‐nascidos de mulheres celíacas em tratamento foi 67g maior do que a dos recém‐nascidos de mães não celíacas.

Por sua vez, Martinelli et al.21 estudaram 845 grávidas e identificaram 12 pacientes com sorologia positiva para a doença celíaca. Em sete dessas 12 pacientes (58,3%) ocorreram eventos adversos na gestação. Cinco delas tiveram bebês pequenos para a idade gestacional (41%), três evoluíram para parto prematuro (25%) e quatro tinham história de abortos recorrentes (33,3%). No estudo de Salvatore et al.,12 os autores demonstraram aumento do risco de recém‐nascidos pequenos para a idade gestacional em mulheres celíacas não diagnosticadas que foi 2,25 vezes maior do que o esperado para a população feminina italiana. Khashan et al.10 também demonstraram que mulheres celíacas não tratadas tinham maior risco para recém‐nascidos prematuros, pequenos e muito pequenos para a idade gestacional (1,33, 1,31 e 1,54 vez, respectivamente) quando comparadas com as mulheres celíacas em tratamento. Recentemente, em uma metanálise, Tersigni et al.,22 demonstraram que pacientes celíacas têm maior risco de abortamentos ou de ter recém‐nascidos com baixo peso ao nascer, prematuros ou com crescimento intrauterino restrito do que a população feminina geral, com risco relativo (RR) de 1,39, 1,75, 1,37 e 1,54 vez, respectivamente.

Patogênese do baixo peso ao nascer na doença celíaca materna

A patogênese do baixo peso ao nascer associado à doença celíaca materna ainda é controversa. Sabe‐se que a nutrição fetal insuficiente é um fator decisivo, já foi demonstrado que mulheres com doença celíaca não diagnosticada apresentam peso placentário menor do que mulheres não expostas à doença.11,23 Estudos demonstraram que gestantes celíacas podem apresentar níveis reduzidos de vitamina B12, ferritina sérica, folato e, frequentemente, apresentam anemia.24 Recentemente, foi demonstrado que a ocorrência de anemia durante o primeiro trimestre da gravidez é fator preditor independente de prematuridade e de baixo peso ao nascer.11 Entretanto, a má absorção ou a má nutrição não tem sido um achado consistente nas gestantes celíacas, o que sugere uma interação entre deficiências nutricionais específicas, desequilíbrios endócrinos e distúrbio imunológico.

Considerada o principal autoantígeno envolvido na patogênese da doença celíaca, a transglutaminase tecidual (TG2) é uma enzima de múltiplas funções com participação em diversos eventos fisiológicos celulares, inclusive crescimento e diferenciação celular, estabilização da matriz extracelular, cicatrização de feridas, endocitose mediada por receptor, apoptose e angiogênese.

Na doença celíaca, observa‐se que a transglutaminase tecidual tem pelo menos dois papéis, não necessariamente independentes: como enzima, que por desaminação pode aumentar o efeito imunoestimulante de glúten, e como alvo para os anticorpos específicos produzidos na doença ativa. Os autoanticorpos são produzidos localmente na mucosa intestinal, onde ficam depositados abaixo da membrana basal epitelial, bem como ao redor dos vasos sanguíneos da mucosa. São encontrados na mucosa intestinal e no soro de pacientes celíacos durante o consumo de glúten. A transglutaminase de vários outros tecidos também pode ser acessível aos autoanticorpos derivados do intestino.25,26

Estudos prévios, que usaram imuno‐histoquímica, demonstraram que a transglutaminase tecidual também é amplamente expressa no tecido placentário.27,28 Anjum et al.29 demonstraram que a TG2, presente em elementos da parte fetal da placenta (membrana vásculo‐sincicial, bem como citotrofoblastos e elementos vasculares e do estroma), foi acessível aos autoanticorpos antitransglutaminase da circulação materna e que esses autoanticorpos inibiram a atividade da enzima. Os autores sugeriram que a TG2 desempenha papel na estabilização de fragmentos antigênicos expelidos da membrana do sinciciotrofoblasto para o interior da circulação materna, promovem uma fagocitose mais eficiente dessas partículas, e que a inibição dessa atividade poderia levar ao reconhecimento imune do concepto pelo organismo materno.

No estudo feito por Jong et al.,30 os níveis de anticorpos antitransglutaminase apresentaram associação inversamente proporcional com o crescimento fetal. O menor crescimento fetal ocorreu em neonatos cujas mães tinham os níveis mais altos de antitransglutaminase.

Invasão trofoblástica, bem como angiogênese endometrial e descidualização, são pré‐requisitos fundamentais para a implantação do embrião e o sucesso da gestação e podem ser afetados pelos autoanticorpos presentes no soro de gestantes celíacas. Recentemente, em um estudo in vitro, Di Simone et al.31 estudaram células trofoblásticas primárias humanas, isoladas de tecido placentário e expostas a anticorpos IgG antitransglutaminase obtidos do soro de pacientes celíacas não tratadas, e demonstraram que as células trofoblásticas foram agressivamente comprometidas, o que pode representar o mecanismo principal pelo qual a implantação do embrião e o seguimento da gestação podem estar prejudicados nas gestantes celíacas não tratadas. Os autores sugeriram que, in vivo, os autoanticorpos maternos podem se ligar à transglutaminase presente em células trofoblásticas e afetar negativamente o potencial dessas células para invadir a placenta.

Aumento da apoptose e da expressão de transglutaminase tecidual em trofoblastos extravilosos e sinciciotrofoblastos de tecido placentário de mulheres com doença celíaca ativa também já foram demonstrados.32 Mais recentemente, Hadziselimovic et al.33 estudaram a placenta de 22 mulheres com doença celíaca (oito sem dieta isenta de glúten) e de 10 mulheres saudáveis e conseguiram demonstrar maior concentração de gliadina e expressão de FAS‐L em trofoblastos extravilosos das placentas de mulheres com doença celíaca não tratada. Os autores sugeriram que a maior concentração de gliadina nos trofoblastos extravilosos promove uma maior expressão de FAS‐L, que, por sua vez, leva a um aumento da apoptopse dessas células. Fato esse que também correlacionou‐se com o peso mais baixo ao nascer dos recém‐nascidos dessas mães quando comparados com os das mães celíacas em uso de dieta e/ou das parturientes saudáveis. O desenvolvimento e a função normais da placenta requerem a invasão da descídua materna pelos trofoblastos extravilosos. Os trofoblastos extravilosos também secretam grande quantidade de proteínas e hormônios envolvidos na manutenção da gravidez, de forma que um aumento da apoptose dessas células pode contribuir para complicações relacionadas à disfunção do tecido placentário.

Considerações finais

A associação entre DC materna ativa e o nascimento de neonatos com baixo peso tem sido evidenciada por vários autores e diferentes mecanismos parecem estar envolvidos em sua patogênese. De forma que parece justificável investigar mulheres em idade reprodutiva que conceberam neonatos com baixo peso ao nascer, crescimento intrauterino restrito e/ou pequenos para idade gestacional. Nas gestantes celíacas tratadas com dieta isenta de glúten, esses riscos são significativamente reduzidos e essas mulheres têm saúde reprodutiva comparada com a da população feminina sem a doença.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências
1
P.H. Green,C. Cellier
Celiac disease
N Engl J Med, 357 (2007), pp. 1731-1743 http://dx.doi.org/10.1056/NEJMra071600
2
M.G. Clemente,S. De Virgiliis,J.S. Kang,R. Macatagney,M.P. Musu,M.R. Di Pierro
Early effects of gliadin on enterocyte intracellular signalling involved in intestinal barrier function
Gut, 52 (2003), pp. 218-223
3
K.M. Lammers,R. Lu,J. Brownley,B. Lu,C. Gerard,K. Thomas
Gliadin induces an increase in intestinal permeability and zonulin release by binding to the chemokine receptor CXCR3
Gastroenterology, 135 (2008), pp. 194-204 http://dx.doi.org/10.1053/j.gastro.2008.03.023
4
S. Drago,R. El Asmar,M. Di Pierro,M. Grazia Clemente,A. Tripathi,A. Sapone
Gliadin, zonulin and gut permeability: Effects on celiac and non‐celiac intestinal mucosa and intestinal cell lines
Scand J Gastroenterol, 41 (2006), pp. 408-419 http://dx.doi.org/10.1080/00365520500235334
5
M. Griffin,R. Casadio,C.M. Bergamin
Transglutaminases: nature's biological glues
J. Biochem, 368 (2002), pp. 377-396
6
A.G.A Institute
AGA Institute Medical Position Statement on the Diagnosis and Management of Celiac Disease
Gastroenterology, 131 (2006), pp. 1977-1980 http://dx.doi.org/10.1053/j.gastro.2006.10.003
7
C.B.C.D. Gonçalves,I.N. Silva,M.G. Tanure,M. Bahia
Estudo da prevalência da doença celíaca em crianças e adolescentes com diabete melito tipo 1: resultado de 10 anos de acompanhamento
Arq Bras Endocrinol Metab, 57 (2013), pp. 375-380
8
A. Fasano,C. Catassi
Celiac disease
N Engl J Med, 367 (2012), pp. 2419-2426 http://dx.doi.org/10.1056/NEJMcp1113994
9
American Gastroenterological Association medical position statement: celiac sprue
Gastroenterology, 120 (2001), pp. 1522-1525
10
A.S. Khashan,T.B. Henriksen,P.B. Mortensen,R. McNamee,F.P. McCarthy,M.G. Pedersen
The impact of maternal celiac disease on birthweight and preterm birth: a Danish population‐based cohort study
Hum Reprod, 25 (2010), pp. 528-534 http://dx.doi.org/10.1093/humrep/dep409
11
N. Suciu,L. Pop,E. Panaitescu,I.D. Suciu,A. Popp,I. Anca
Fetal and neonatal outcome in celiac disease
J Matern Fetal Neonatal Med, 27 (2014), pp. 851-855 http://dx.doi.org/10.3109/14767058.2013.839650
12
S. Salvatore,S. Finazzi,G. Radaelli,M. Lotzniker,G.V. Zuccotti
Premacel Study Group. Prevalence of undiagnosed CD in the parents of preterm and/or small for gestationcal age infants
Am J Gastroenterol, 102 (2007), pp. 168-173 http://dx.doi.org/10.1111/j.1572-0241.2006.00958.x
13
B. Norgard,K. Fonager,H.T. Sorensen,J. Olsen
Birth outcomes of women with celiac disease: a nationwide historical cohort study
Am J Gastroenterol, 94 (1999), pp. 2435-2440 http://dx.doi.org/10.1111/j.1572-0241.1999.01370.x
14
K.J. Viana,J.A.A.C. Taddei,M. Cocetti,S. Warkentin
Peso ao nascer de crianças brasileiras menores de dois anos
Cad Saúde Pública, 29 (2013), pp. 349-356
15
M.S. Kramer
Determinants of low birth weight: methodological assessment and meta‐analysis
Bull World Health Organ, 65 (1987), pp. 663-737
16
A.J. Wilcox
On the importance‐and the unimportance‐of birthweight
Int J Epidemiol, 30 (2001), pp. 1233-1241
17
Y. Berhan,A. Berhan
A meta‐analysis of selected maternal and fetal factors for perinatal mortality
Ethiop J Health Sci, 24 (2014), pp. 55-68
18
C. Ciacci,M. Cirillo,G. Auriemma,G. Di Dato,F. Sabbatini,G. Mazzacca
Celiac disease and pregnancy outcome
Am J Gastroenterol, 91 (1996), pp. 718-722
19
K.S. Sher,J.F. Mayberry
Female fertility, obstetric and gynaecological history in coeliac disease. A case control study
Digestion, 55 (1994), pp. 243-246
20
E. Sheiner,R. Peleg,A. Levy
Pregnancy outcome of patients with know celiac disease
Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol, 129 (2006), pp. 41-45 http://dx.doi.org/10.1016/j.ejogrb.2005.10.023
21
D. Martinelli,F. Fortunato,S. Tafuri,C.A. Germinario,R. Prato
Reproductive life disorders in celiac women. A case‐control study
Bio Med Central Gastroenterology, 10 (2010), pp. 89
22
C. Tersigni,R. Castellani,C. Waure,A. Fattorossi,M. Spirito,A. Gasbarrini
Celiac disease and reproductive disorders: meta‐analysis of epidemiologic associations and potential pathogenic mechanisms
Hum Reprod Update, 20 (2014), pp. 582-593 http://dx.doi.org/10.1093/humupd/dmu007
23
T.A. Kemppainen,V.M. Kosma,E.K. Janatuinen,R.J. Julkunen,P.H. Pikkarainen,M.I. Uusitupa
Nutritional status of newly diagnosed celiac disease patients before and after the institution of a celiac disease diet – Association with the grade of mucosal villous atrophy
Am J Clin Nutr, 67 (1998), pp. 482-487
24
J.F. Ludvigsson,S.M. Montgomery,A. Ekbom
Celiac disease and risk of adverse fetal outcome: a population‐based cohort study
Gastroenterology, 129 (2005), pp. 454-463 http://dx.doi.org/10.1016/j.gastro.2005.05.065
25
I. Caputo,M.V. Barone,S. Martucciello,M. Lepretti,C. Esposito
Tissue transglutaminase in celiac disease: role of autoantibodies
Amino Acids, 36 (2009), pp. 693-699 http://dx.doi.org/10.1007/s00726-008-0120-z
26
I.R. Korponay-Szabó,T. Halttunen,Z. Szalai,K. Laurila,R. Király,J.B. Kovács
In vivo targeting of intestinal and extraintestinal transglutaminase 2 by coeliac autoantibodies
Gut, 53 (2004), pp. 641-648
27
N.J. Robinson,J.D. Glazier,S.L. Greenwood,P.N. Baker,J.D. Aplin
Tissue transglutaminase expression and activity in placenta
28
N.J. Robinson,P.N. Baker,C.J. Jones,J.D. Aplin
A role for tissue transglutaminase in stabilization of membrane‐cytoskeletal particles shed from the human placenta
Biol Reprod, 77 (2007), pp. 648-657 http://dx.doi.org/10.1095/biolreprod.107.061747
29
N. Anjum,P.N. Baker,N.J. Robinson,J.D. Aplin
Maternal celiac disease autoantibodies bind directly to syncytiotrophoblast and inhibit placental tissue transglutaminase activity
Reprod Biol and Endocrinol, 7 (2009), pp. 16
30
J.C. Kiefte de Jong,V.W. Jaddoe,A.G. Uitterlinden,E.A. Steegers,S.P. Willemsen,A. Hofman
Levels of antibodies against tissue transglutaminase during pregnancy are associated with reduced fetal weight and birth weight
Gastroenterology, 144 (2013), pp. 726-735 http://dx.doi.org/10.1053/j.gastro.2013.01.003
31
N. Di Simone,M. Silano,R. Castellani,F. Di Nicuolo,M.C. D’Alessio,F. Franceschi
Anti‐tissue transglutaminase antibodies from celiac patients are responsible for trophoblast damage via apoptosis in vitro
Am J Gastroenterol, 105 (2010), pp. 2254-2261 http://dx.doi.org/10.1038/ajg.2010.233
32
P. Collin,K. Kaukinen,H. Vogelsang,I. Korponay-Szabó,R. Sommer,E. Schreier
Antiendomysial and antihuman recombinant tissue transglutaminase antibodies in the diagnosis of coeliac disease: a biopsy‐proven European multicenter study
Eur J Gastroenterol Hepatol, 17 (2005), pp. 85-91
33
F. Hadziselimovic,R. Geneto,M. Buser
Celiac disease, pregnancy, small for gestational age: role of extravillous trophoblast
Fetal Pediatr Pathol, 26 (2007), pp. 125-134 http://dx.doi.org/10.1080/15513810701563637
Autor para correspondência. (Fernando Augusto Montanha Teixeira fernandoamteixeira@hotmail.com)
Copyright © 2016. Sociedade Brasileira de Reprodução Humana
Reprod Clim 2017;32:53-6 - Vol. 32 Núm.1 DOI: 10.1016/j.recli.2016.11.003