ISSN on-line: 2358-288X
Reprodução & Climatério Reprodução & Climatério
Reprod Clim 2014;29:1-2 - Vol. 29 Núm.1 DOI: 10.1016/j.recli.2014.07.004
Editorial
Hormônio anti‐Mülleriano: cuidados na interpretação dos resultados
Anti‐Müllerian hormone: caution in interpreting the results
Leopoldo de Oliveira Tso
Editor da Revista Reprodução & Climatério

A concentração sérica de hormônio anti‐Mülleriano (AMH), produzido pelas células da granulosa dos folículos pré‐antrais e antrais pequenos,1 não sofre influência da secreção pulsátil de gonadotrofinas e, portanto, apresenta pequena variação inter e intraciclos e em vigência de uso de contraceptivos hormonais, o que não acontece com outros testes hormonais, como o hormônio folículo estimulante (FSH) de terceiro dia e a inibina B.2,3 Alguns clínicos estão tão convencidos da superioridade do AMH frente aos outros marcadores clássicos de reserva ovariana que passaram a adotar esse teste como principal forma de avaliá‐la, de prever a resposta folicular à estimulação da ovulação e, mais corajosamente, correlacioná‐lo com os desfechos e o prognóstico de sucesso dos tratamentos de reprodução assistida, sem levar em consideração as características da população de interesse.

Muitos estudos e testes clínicos foram feitos com diferentes kits disponíveis comercialmente desenvolvidos por dois laboratórios: Diagnostics Systems Laboratories (DSL) e Immunotech.4 Embora os resultados obtidos por esses kits se correlacionem, suas curvas‐padrão não são paralelas, além de não haver fator de conversão universal aplicável, o que torna difícil a comparação de resultados, principalmente nos valores extremos das curvas.5

Beckman Coulter, um grupo com vasta experiência no desenvolvimento e na venda de ensaios laboratoriais, adquiriu os dois laboratórios e desenvolveu um novo kit para ensaio de AMH, o Beckman Coulter Generation II (Gen II). Parece, contudo, que o problema ainda não está solucionado, pois o novo kit apresentou valores mais baixos de AMH do que o esperado, além de instabilidade durante o armazenamento. Isso fez com que a empresa reavaliasse o produto. Segundo a nova metodologia há necessidade de uso de um tampão aniônico para resolver o problema.6

Esses achados, relatados por diversos pesquisadores, sugerem fortemente que a metodologia empregada para dosar o AMH sérico ainda é inconsistente e, portanto, seus resultados devem ser interpretados com cautela.4,7

Dificuldades à parte, o método apresenta vantagens importantes. Além das já mencionadas no início deste artigo, a dosagem do AMH tem sua melhor indicação no rastreamento da reserva ovariana e no aconselhamento de mulheres com alto risco de apresentar diminuição da reserva ovariana, como, por exemplo, acima de 37 anos, seguimento após ooforoplastia ou que apresentam FSH basal > 10mUI/mL. De maneira geral, dosagens baixas de AMH (<1ng/mL DSL Elisa) têm sido associadas, apesar de não necessariamente predizer, com prognóstico ruim dos ciclos de fertilização in vitro (FIV): resposta pobre à estimulação da ovulação (≤4 oócitos coletados), qualidade embrionária ruim e baixa taxa de gestação.8,9

Valores preditivos negativo (VPN) e positivo (VPP) são características de um teste de rastreamento que variam de acordo com a prevalência da doença na população estudada.10 No caso em questão, VPP é a probabilidade de uma mulher com AMH alterado (baixo) realmente apresentar reserva ovariana pobre (ROP). E VPN é a probabilidade de a mulher com dosagem de AMH normal (por exemplo: 2,5ng/mL DSL Elisa) ter reserva ovariana normal.

As características mais importantes de um teste de rastreamento de reserva ovariana são os valores preditivos, e não a sensibilidade e especificidade. Embora o valor preditivo seja determinado pela sensibilidade e especificidade, também é dependente da prevalência de ROP na população. Esse princípio é fundamental na seleção de mulheres a serem rastreadas.10 Se a prevalência de ROP for baixa (por exemplo, em mulheres <34 anos), o VPP (a probabilidade de uma mulher com AMH baixo realmente ter DRO) também será baixo, mesmo que a sensibilidade e a especificidade sejam altas, e da mesma forma o contrário. Portanto, fica fácil entender que a melhor indicação do AMH ocorre no rastreamento de reserva ovariana em mulheres com alto risco de apresentar reserva ovariana pobre.

Concluindo este editorial, o AMH é marcador muito útil de reserva ovariana, contudo seu emprego e sua interpretação merecem cautela. Na prática clínica, atenção no momento de discutir prognóstico com as pacientes baseado nos valores desse teste. Tenha em mente que o método de avaliação do AMH pode variar entre os diversos laboratórios de análises clínicas, que ainda não foram estabelecidos valores de normalidade do teste para a população brasileira com os diferentes kits disponíveis e, finalmente, que a melhor indicação do teste é para avaliação dereserva ovariana em população específica.

Referências
1
C. Weenen,J.S. Laven,A.R. Von Bergh,M. Cranfield,N.P. Groome,J.A. Visser
Anti‐Müllerian hormone expression pattern in the human ovary: potential implications for initial and cyclic follicle recruitment
Mol Hum Reprod, 10 (2004), pp. 77-83
2
H.W. Li,C.Y. Wong,W.S. Yeung,P.C. Ho,E.H. Ng
Serum anti‐Müllerian hormone level is not altered in women using hormonal contraceptives
3
A. La Marca,G. Stabile,A.C. Artenisio,A. Volpe
Serum anti‐Müllerian hormone throughout the human menstrual cycle
Hum Reprod, 21 (2006), pp. 3103-3107 http://dx.doi.org/10.1093/humrep/del291
4
W.L. Ledger
Measurement of anti‐Müllerian hormone: not as straightforward as it seems
5
A. La Marca,G. Sighinolfi,D. Radi,C. Argento,E. Baraldi,A.C. Artenisio
Anti‐Müllerian hormone (AMH) as a predictive marker in assisted reproductive technology (ART)
Hum Reprod Update, 16 (2010), pp. 113-130 http://dx.doi.org/10.1093/humupd/dmp036
6
T. Freour,S. Mirallie,K. Bach-Ngohou,M. Denis,P. Barriere,D. Masson
Measurement of serum anti‐Müllerian hormone by Beckman Coulter Elisa and DSL Elisa: comparison and relevance in assisted reproduction technology (ART)
Clin Chim Acta, 375 (2007), pp. 162-164 http://dx.doi.org/10.1016/j.cca.2006.06.013
7
B. Leader,A. Hegde,Q. Baca,K. Stone,B. Lannon,D.B. Seifer
High frequency of discordance between anti‐Müllerian hormone and follicle‐stimulating hormone levels in serum from estradiol‐confirmed days 2 to 4 of the menstrual cycle from 5,354 women in U.S. fertility centers
Fertil Steril, 98 (2012), pp. 1037-1042 http://dx.doi.org/10.1016/j.fertnstert.2012.06.006
8
S. Muttukrishna,H. McGarrigle,R. Wakim,I. Khadum,D.M. Ranieri,P. Serhal
Antral follicle count, anti‐Müllerian hormone and inhibin B: predictors of ovarian response in assisted reproductive technology?
9
T. Silberstein,D.T. MacLaughlin,I. Shai,J.R. Trimarchi,G. Lambert-Messerlian,D.B. Seifer
Mullerian inhibiting substance levels at the time of HCG administration in IVF cycles predict both ovarian reserve and embryo morphology
Hum Reprod, 21 (2006), pp. 159-163 http://dx.doi.org/10.1093/humrep/dei270
10
F.J. Broekmans,J. Kwee,D.J. Hendriks,B.W. Mol,C.B. Lambalk
A systematic review of tests predicting ovarian reserve and IVF outcome
Hum Reprod Update, 12 (2006), pp. 685-718 http://dx.doi.org/10.1093/humupd/dml034
Copyright © 2014. Sociedade Brasileira de Reprodução Humana
Reprod Clim 2014;29:1-2 - Vol. 29 Núm.1 DOI: 10.1016/j.recli.2014.07.004