ISSN on-line: 2358-288X
Reprodução & Climatério Reprodução & Climatério
Reprod Clim 2015;30:47-50 - Vol. 30 Núm.1 DOI: 10.1016/j.recli.2015.04.006
Relato de caso
Metastização uterina de carcinoma mamário – Relato de caso
Uterine metastasis of breast carcinoma – Case report
Sílvia Coutoa,, , , Carla Antunesb, Ana Cristina Vilhenaa, Luís Canelasa, Ana Oliveirab
a Departamento de Ginecologia‐Obstetrícia, Hospital Garcia de Orta, EPE, Almada, Portugal
b Departamento de Anatomia Patológica, Hospital Garcia de Orta, EPE, Almada, Portugal
Recebido 17 Abril 2015, Aceitaram 24 Abril 2015
Resumo

A doença metastática que envolve o útero é rara. Geralmente os ovários são o órgão envolvido e o tumor primário é habitualmente da mama ou do trato gastrointestinal.

Caso clínico

Os autores apresentam um caso de metastização uterina de carcinoma mamário. A doente tinha antecedentes de mastectomia bilateral por carcinoma invasivo NOS havia mais de 30 anos. A avaliação histológica do produto de biópsia histeroscópica, complementada com imuno‐histoquímica, confirmou a origem do tumor primário como mamário e de variante lobular. A doente recusou outros procedimentos invasivos, mas concordou com seguimento clínico e ecográfico.

Conclusão

Geralmente a doença metastática da mama para o trato genital feminino deve‐se majoritariamente a carcinoma lobular invasivo. Apresentamos um caso de metastização uterina de carcinoma lobular invasivo, mais de 30 anos após o tumor primário, o qual foi classificado como carcinoma invasivo NOS e confirmado em revisão de lâminas. É de salientar a importância de uma correta informação clínica ao patologista do antecedente oncológico, de forma a poder ser feito um correto diagnóstico diferencial.

Abstract

Metastatic disease involving the uterus is rare. Typically it is the ovaries that are involved and the primary tumor is usually the breast or the gastrointestinal tract.

Case report

We describe a case of metastatic breast carcinoma involving the uterus in a patient who had had a bilateral mastectomy due to invasive carcinoma NOS more than thirty years ago. Histological assessment of the hysteroscopy biopsy specimen including immunohistochemistry staining confirmed the breast carcinoma as the primary lesion, however it was classified as lobular carcinoma. The patient refused surgery or other invasive procedures, having complied nevertheless to follow up with clinical and ultrasound evaluation.

Conclusion

Metastatic breast disease to the feminine genital tract is more frequently due to lobular invasive carcinoma. We present a case of uterine metastization of invasive lobular carcinoma more than thirty years since the primary tumor, which was classified as invasive carcinoma NOS and confirmed by histological revision. It is of great importance to give the pathologist the correct information about the patient, namely of any oncologic background, so differential diagnosis can be made.

Palavras‐chave
Carcinoma mamário, Metástase uterina, E‐caderina, GCDFP‐15
Keywords
Breast carcinoma, Uterine metastasis, E‐cadherin, GCDFP‐15
Reprod Clim 2015;30:47-50 - Vol. 30 Núm.1 DOI: 10.1016/j.recli.2015.04.006