ISSN on-line: 2358-288X
Reprodução & Climatério Reprodução & Climatério
Reprod Clim 2013;28:2-9 - Vol. 28 Núm.1 DOI: 10.1016/j.recli.2013.04.001
Original article
Unsafe Abortion: a serious public health issue in a poverty stricken population
Aborto Inseguro: um sério problema de saúde pública em uma população em situação de pobreza
Carmen Linda Brasiliense Fusco,
Departamento de Medicina Preventiva, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brazil
Recebido 18 Abril 2013, Aceitaram 29 Abril 2013
Abstract

Eighteen years after ICPD (Cairo, 1994), unsafe abortion (UA), contemplated thereby as a serious Public Health issue, persists in Brazil. This research, conducted in a slum in the outskirts of São Paulo by means of a cross-sectional study, intended estimating the prevalence of women who have had unsafe abortions, identifying the socio-demographic characteristics (SDC) related thereto, and their morbidity. This article refers to the SDC, the variables of which remained in the final model of the Multiple Multinomial Logistic Regression analysis carried out therefor - age at 1st sexual intercourse, number of partners, schooling, ethnicity/color, marital status and abortion acceptance driven by low-income conditions–with an approach intended for the social determinants of health and for the health inequities generated thereby in the case of UA, in an impoverished population. In conclusion, the UA and SDC are influenced by the SDH, creating health inequities in that population. The greatest proportion of women that induced unsafe abortion within this population was represented by black women, with lower income, with less than 4 years of school attendance and single, which indicates health inequalities and inequities.

Resumo

Após 18 anos da CIPD, Cairo, 1994, a situação do Aborto Inseguro (AI), nela contemplado como um grave problema de Saúde Pública, permanece a mesma no Brasil. Esta pesquisa, um estudo transversal, realizada em uma favela da periferia de São Paulo, teve como objetivos estimar a prevalência de mulheres com aborto inseguro, identificar as características sociodemográficas (CSD) a ele associadas, e sua morbidade. São discutidas neste artigo as CSD cujas variáveis permaneceram no modelo final da análise de Regressão Logística Multinomial Múltipla efetuada com essa finalidade - idade da 1ª relação sexual, número de parceiros, escolaridade, etnia/cor, estado civil e aceitação do aborto por falta de condições econômicas - com uma abordagem voltada aos determinantes sociais e às iniquidades em saúde por esses geradas na ocorrência do AI, em uma população em situação de pobreza. A maior proporção de mulheres que provocaram aborto inseguro nesta população foi a de mulheres de cor preta, com renda mais baixa, menos de 4 anos de estudo e solteiras, o que demonstra a presença de desigualdades e iniquidades em saúde.

Keywords
Abortion, Social Inequity, Epidemiology, Social Medicine
Palavras-chave
Aborto inseguro, Iniquidades em saúde, Epidemiologia, Saúde coletiva
Reprod Clim 2013;28:2-9 - Vol. 28 Núm.1 DOI: 10.1016/j.recli.2013.04.001